EnglishPortuguese

Criptoativos na Bolsa de Valores: CVM autoriza fundo ETF de cripto

post 8

Para os entusiastas dos criptoativos e do mercado financeiro e de capitais, há razão para comemorar.

Em março deste ano, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou o ETF de bitcoin da gestora HashDex, cujo ticker na bolsa de valores brasileira (B3) passará a ser “HASH11”.

Os ETFs (Exchange-Traded Fund) são fundos que investem em uma carteira de valores mobiliários (como ações) que busca replicar a rentabilidade de um determinado índice de referência (como o Ibovespa), ou qualquer índice de ações reconhecido pela CVM.

No caso do ETF recém aprovado pela CVM, o índice subjacente é o Hashdex Nasdaq Index.

Em fevereiro, a Nasdaq já havia anunciado o lançamento oficial do fundo Hashdex Nasdaq Crypto Index ETF, o que estava em sintonia com seu interesse de entrar no mercado de índice de cripto.

Agora, o fundo ETF está sendo constituído no Brasil sob regulação da Instrução CVM 359/2002 e ele adquirirá quotas do índice da Hashdex Nasdaq ETF, constituído nas Ilhas Cayman e listado na Bermuda Stock Exchange (BSX).

A primeira emissão de quotas ocorrerá pelo Genial Investimentos, BTG Pactual e Banco Itaú BBA, mas outras instituições poderão aderir à esta primeira emissão.

Vê-se que os ETFs têm sido uma maneira conservadora e segura de se franquear acesso ao mercado de criptoativos para investidores institucionais, que demandam maior rigor maior na governança e na política de investimentos que realizam.

Com o fundo HASH11, o investidor poderá comprar quotas e acompanhar a rentabilidade do índice de criptoativos da gestora Hashdex. O fundo ainda está em processo de listagem na bolsa e a disponibilidade para sua aquisição na B3 deve ocorrer a partir de 24 de abril de 2021.

Está gostando do conteúdo? Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Leia Também

BIM na Nova Lei de Licitações Públicas

Modelagem da Informação da Construção (Building Information Modelling – BIM), ou tecnologias e processos integrados similares ou mais avançados que venham a substituí-la, para obras e serviços de engenharia e arquitetura.

Leia Mais